quinta-feira , 9 dezembro 2021
Wagner Moura puxa 'Fora, Bolsonaro' na pré-estreia de 'Marighella'

Wagner Moura puxa ‘Fora, Bolsonaro’ na pré-estreia de ‘Marighella’

MÔNICA BERGAMO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Após ter a estreia adiada por duas vezes desde 2019, por conta de imbróglios com a gestão da Ancine (Agência Nacional do Cinema) sob o governo Bolsonaro, “Marighella”, de Wagner Moura, foi exibido pela primeira vez em São Paulo na noite desta sexta (29). O longa conta a história do guerrilheiro Carlos Marighella, assassinado pela ditadura.


“Uma produção cultural, independentemente do que você acha de Marighella, tem direito de existir” disse Moura à coluna.
Antes da exibição do filme aos convidados presentes à pré-estreia no Espaço Itaú Bourbon Pompeia, o diretor fez um pequeno discurso. “É um absurdo ter que lutar contra o governo federal para estrear no seu país”, disse Moura. “É um filme de amor, feito para o público brasileiro, sobre os que resistiram [à ditadura] e os que estão resistindo hoje no Brasil. Fora, Bolsonaro!”, gritou o baiano, sob aplausos.

O cantor e ator Seu Jorge, que interpreta o guerrilheiro Carlos Marighella no filme, diz que a demora do lançamento da obra foi “de uma brutalidade imensa”. E afirma que foi uma oportunidade de “reconexão com meu país, minha gente, com as causas desse povo”.
Os atores Adriana Esteves, Bruno Gagliasso e Humberto Carrão, entre outros nomes do elenco, também participaram da pré-estreia.

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) estava na plateia, ao lado de sua esposa, Ana Estela. “Eu vi esse filme há dois anos e tô emocionado de lembrar o que ele representa [em termos] de resistência ao arbítrio e de luta pela liberdade”, afirmou. “É muito oportuno para o momento em que vivemos lembrar que há brasileiros que não aceitam vivem sob o jugo de ninguém.”

Haddad não poupou elogios a Wagner Moura, conhecido principalmente por seus trabalhos como ator. “Ele é um brilho. Um gigante da cultura brasileira, projeta o nome do Brasil no exterior”, disse.

O líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e ex-candidato a prefeito de SP pelo PSOL Guilherme Boulos também compareceu à pré-estreia. “Esse filme foi censurado, atacado vítima da guerra ideológica bolsonarista então é muito simbólico ter esse momento [de estreia]”, afirmou.

O vereador Eduardo Suplicy (PT-SP) e a secretária municipal de Cultura, Aline Torres, também estiveram no evento.
O filme, inspirado na biografia “Marighella: O Guerrilheiro que Incendiou o Mundo” (ed. Companhia das Letras), do jornalista Mário Magalhães, chega ao circuito comercial no dia 4 de novembro.

Verifique também

Tatá Werneck chora por não poder apresentar prêmio ao lado de Paulo Gustavo

Tatá Werneck chora por não poder apresentar prêmio ao lado de Paulo Gustavo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – No palco do Prêmio Multishow desta quarta (8), Tatá Werneck, …