quarta-feira , 10 agosto 2022

Trabalhadores fazem ato contra a reforma da Previdência em praça de Cuiabá

Trabalhadores e líderes sindicais fizeram um ato público na tarde desta terça-feira (5), na Praça Alencastro, no Centro de Cuiabá, contra a reforma da Previdência. A mobilização foi convocada pela Central Única dos Trabalhadores (CUT-MT) e teve início às 16h [17h no horário de Brasília], em frente à Prefeitura de Cuiabá. Os organizadores e a Polícia Militar não deram estimativa de público.

Com faixas, cartazes e um trio elétrico, eles criticaram as mudanças de regras para a concessão de aposentadorias, que constam na proposta encaminhada ao Congresso Nacional pelo governo federal. Entre as principais medidas criticadas pelos manifestantes está o tempo maior de contribuição que será necessário para conseguir 100{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} do salário benefício, que subirá para 40 anos.

De acordo com o representante do Fórum Sindical e presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde de Mato Grosso (Sisma-MT), Oscarlino Alves, os líderes dos trabalhadores tentam, com o ato, fazer um trabalho de conscientização.

“Estamos conversando com a população e mostrando quais são os prejuízos de ter que trabalhar mais. A expectativa de vida do brasileiro aumentou e parece que isso se transformou em crime. as mulheres vão ter que trabalhar mais sete anos e os homens, mais cinco. E se não chegar a 40 anos [de contribuição], não vamos aposentar pelo teto que estamos contribuindo. É um prejuízo imensurável”, afirmou.

De acordo com o representante do Fórum Sindical e presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde de Mato Grosso (Sisma-MT), Oscarlino Alves, os líderes dos trabalhadores tentam, com o ato, fazer um trabalho de conscientização.

“Estamos conversando com a população e mostrando quais são os prejuízos de ter que trabalhar mais. A expectativa de vida do brasileiro aumentou e parece que isso se transformou em crime. as mulheres vão ter que trabalhar mais sete anos e os homens, mais cinco. E se não chegar a 40 anos [de contribuição], não vamos aposentar pelo teto que estamos contribuindo. É um prejuízo imensurável”, afirmou.

O presidente Michel Temer (PMDB) tenta, agora, conseguir o apoio dos parlamentares para aprovar a proposta. Por se tratar de emenda à Constituição, o texto exige ao menos 308 votos (de um total de 513 deputados).

Por G1

Verifique também

Mortes bizarras de famosos que quase ninguém ouviu falar

Mortes bizarras de famosos que quase ninguém ouviu falar

Há muitas mortes de celebridades que todos conhecem, incluindo as de Michael Jackson e Marilyn …