quinta-feira , 21 outubro 2021
Seminário discute formas de levar experiência brasileira a países africanos

Seminário discute formas de levar experiência brasileira a países africanos

Levar a experiência do progresso brasileiro no agronegócio para países africanos. Esse foi o tema de um debate realizado no Palácio Itamaraty, em Brasília, que contou com a participação do ministro das Relações Exteriores, embaixador Carlos Alberto Franco França, além de chefes diplomáticos de países africanos, representantes de empresas públicas e privadas ligadas ao agronegócio, associações do setor privado e entidades de pesquisas acadêmicas. Durante o seminário “O Brasil e a África no Agro” foram realizados painéis sobre cooperação técnica, acadêmica, tecnológica, financeira e empresarial. 

Durante o evento, o ministro das Relações Exteriores disse que o Brasil tem muito a contribuir com a África. “A trajetória de desenvolvimento do agronegócio no Brasil, a partir dos anos 1970, tem o potencial de contribuir decisivamente para o avanço desse setor nos países africanos. Essa é a contribuição que nós, brasileiros, podemos e devemos colocar à disposição do continente que mais rapidamente cresce no mundo. É a nova fronteira de nossa cooperação com a África”, destacou.

O chanceler frisou ainda a evolução da agricultura brasileira nas últimas décadas. “Nos últimos 50 anos, o Brasil modernizou completamente sua produção agropecuária. Deixou de ser um importador líquido de alimento, que fomos a maior parte de nossa história, para nos tornar um dos maiores exportadores mundiais de grãos, de carnes e produtos florestais. Queremos e buscaremos dar nosso aporte, dentro das nossas possibilidades, para que os países africanos venham a tornar-se também exportadores líquidos dos mais diversos gêneros alimentícios”, completou. 

Com apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), muitas tecnologias brasileiras já são adaptadas para países como Gana, Moçambique e Burkina Faso, por meio de projetos de cooperação técnica. 

Carlos Alberto Franco França lembrou que, nos últimos 20 anos, o Brasil realizou mais de 700 projetos de cooperação técnica com diversos países africanos, em várias áreas, com destaque para agropecuária e segurança alimentar. Entre elas está a cooperação no plantio de algodão, banco de leite, erradicação de pragas e alimentação escolar, executados pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), instituição ligada ao Ministério das Relações Exteriores. 

Um dos projetos implementados pela ABC é o “Cotton Four + Togo”, que leva o fortalecimento tecnológico e a difusão de boas práticas agrícolas para o plantio do algodão em Benim, Burkina Faso, Chade, Mali e Togo, países localizados na África Ocidental. A iniciativa ajuda os cinco países a desenvolver o setor de algodão, aumentando a produtividade, gerando diversidade genética e aprimorando a qualidade do produto cultivado.

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes Cordeiro, ressaltou que para conciliar segurança alimentar com sustentabilidade econômica, social e ambiental é preciso investir em tecnologia. “Com tecnologia, o Brasil foi capaz de aumentar sua produção de grãos em 400% nos últimos 40 anos, ao passo que a área ocupada pelas plantações cresceu pouco mais de 40%. O clima e o solo das regiões tropicais, aliados à tecnologia, permitem o cultivo de mais de uma safra ao ano, duas e, em alguns casos, até três”, pontuou.  

O secretário-executivo também destacou que o relatório de 2021 do Fundo das Nações Unidas para a Agricultura (Fao) aponta que o número de africanos com dificuldades em obter alimentos é de 280 milhões de pessoas. “Projeções da ONU apontam que a população da África Subsaariana deve dobrar até 2050 e segundo o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, o continente produzirá apenas 13% de suas necessidades alimentares até 2050. Embora o continente africano detenha metade das terras aráveis não cultivadas do mundo, uma propriedade rural média alcança hoje apenas cerca de 40% do seu potencial produtivo. Há, portanto, muito espaço para cooperação entre Brasil e África na seara agrícola”, concluiu.

 

Verifique também

Saiba como usar insetos para controlar pragas nas lavouras

Saiba como usar insetos para controlar pragas nas lavouras

Insetos muitas vezes são um grande problema em lavouras e hortas, mas nem todos são pragas. Alguns, na verdade, trazem muitos benefícios para as plantações. Os exemplos mais comuns são os polinizadores, tão importantes para a reprodução das plantas. Mas, além destes, há também os inimigos naturais das pragas. Isso significa que alguns insetos podem prejudicar as plantas, ou seja, as pragas. Já outros podem se alimentar dessas pragas e impedir que elas destruam as lavouras. Marimbondos, por exemplo, comem muitos insetos que podem ser pragas. Joaninhas também são aliadas: elas comem pulgões e lagartinhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *