sábado , 25 junho 2022
Rodrigo Garcia: Alíquota menor de ICMS reduzirá dinheiro para saúde e educação

Rodrigo Garcia: Alíquota menor de ICMS reduzirá dinheiro para saúde e educação

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), afirmou, ao Broadcast Político, serviço de informação em tempo real sobre política do Broadcast, que o projeto de lei que fixa o teto de 17% para o ICMS sobre energia elétrica, combustíveis, telecomunicações e transporte coletivo reduzirá recursos para áreas da saúde, educação e segurança. “Quando você reduz a alíquota você reduz a arrecadação, é matemática”, disse.

Na semana passada, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou, em entrevista à CNN, de que o projeto de lei que estabelece o teto do ICMS não compromete recursos para saúde e educação e de que essa foi uma “versão criada pelos governadores e secretários”. Lira afirmou que não está prevista a queda de arrecadação em nenhum Estado.

Garcia, em contrapartida, afirmou que “é natural” que uma alíquota menor de insumos de alto consumo reduza recursos para áreas prioritárias.

O governador voltou a defender a criação de uma conta de estabilização pela Petrobras para controlar o aumento dos preços dos combustíveis. “Se não você faz esforço fiscal e no outro dia tem anúncio de aumento”, disse. Garcia pediu também a suspensão da dívida do Estado com a União por dois anos em troca de zerar o ICMS sobre diesel, etanol e gás de cozinha.

A Câmara aprovou hoje o texto-base do projeto que estabelece o teto do ICMS e o texto vai para sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL). Os deputados mantiveram algumas mudanças feitas pelo Senado na proposta, como a garantia do repasse de recursos ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), mas rejeitaram outras, como um cálculo mais benéfico aos Estados do gatilho para a compensação por perda de receitas com o tributo estadual.


Verifique também

Recessão nos EUA vai afetar América Latina, diz Citi

Recessão nos EUA vai afetar América Latina, diz Citi

As chances de um “pouso suave” nos Estados Unidos, em meio à subida de juros …