sexta-feira , 21 janeiro 2022
Programa de habitação para policiais não decola e é criticado por entidades

Programa de habitação para policiais não decola e é criticado por entidades

Associações de policiais militares afirmam que o programa habitacional preparado pelo governo Bolsonaro para agradar à classe é menos atrativo do que o Casa Verde e Amarela, substituto do Minha Casa Minha Vida, e não decolou. Lançado em setembro, o Habite Seguro celebrou até agora 274 contratos de crédito imobiliário com profissionais da segurança pública de todo o País. O déficit habitacional no público-alvo é de mais de 150 mil moradias.


Entre as principais diferenças dos dois programas está a forma de calcular a taxa de juros. No Casa Verde e Amarela, ela pode variar de 4,25% a 7,66% ao ano, conforme a faixa de renda, mas é fixa. No Habite Seguro, a taxa parte de 2,5% e soma a remuneração da poupança e do saldo devedor atualizado pela chamada TR. Com isso, a taxa final pode ficar na casa dos 10%.

Entidades que pleitearam o programa consideram a iniciativa restritiva demais e sem potencial para atacar o problema de déficit habitacional, sobretudo entre praças. O fenômeno, segundo as entidades, tem empurrado policiais para as periferias e prejudicado a qualidade de vida dos profissionais de segurança.

Criado por meio de medida provisória, o Habite Seguro formalmente contempla as polícias em geral, bombeiros militares, agentes penitenciários e guardas municipais. “O povo está muito revoltado. É mais fácil pegar crédito pelo Casa Verde e Amarela”, disse o presidente da Associação Nacional de Entidades Representativas de Policiais e Bombeiros Militares (Anermb).

Queixas

Os policiais se queixam, ainda, de exigências de uma declaração do comandante imediato, de nome limpo e de estabilidade de três anos. Uma lista com essas e outras reclamações foi endereçada no fim do ano passado ao ministro do Trabalho, Onyx Lorenzoni, que vinha fazendo interlocução com a categoria.

Segundo o Ministério da Justiça, até 11 de janeiro 274 contratos haviam sido celebrados e outros 665 estavam em análise nas agências da Caixa. O governo pretende contemplar 10 mil profissionais da segurança pública em 2022, disponibilizando um orçamento de R$ 100 milhões. A meta resolve apenas 6,3 % do déficit habitacional identificado pelo próprio governo.

Um estudo da Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, indicou que o déficit é de 158 mil moradias entre os profissionais de segurança com renda bruta de até R$ 7 mil. Considerando os efetivos totais, o número alcança 201 mil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Verifique também

Evergrande contrata assessores financeiros para lidar com ameaça de credores

Evergrande contrata assessores financeiros para lidar com ameaça de credores

Enquanto enfrenta uma grave crise de liquidez, a incorporadora imobiliária China Evergrande Group anunciou nesta …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *