quinta-feira , 26 maio 2022
684ac2d947bc68f9cee4ec276c3cf52c-1

Parceria entre programa AMOR e Defensoria Pública leva cidadania a acolhidos da comunidade terapêutica Tenda de Abraão

A equipe do programa AMOR – Assistência Médica e Odontológica Rural esteve na tarde desta sexta-feira (11), juntamente com servidores da Defensoria Pública do Estado (DPE), promovendo a cidadania de 120 pessoas acolhidas na Comunidade Terapêutica Tenda de Abraão, na região rural do Barreiro Branco. Enquanto a equipe de saúde realizava vacinação contra a covid-19 daqueles que ainda estavam com pendências no calendário de imunização, além de testes de covid-19 e entrega de kits de higiene bucal, a Defensoria dava entrada na emissão de documentos e fazia consulta processual dos que necessitavam do serviço. 

De acordo com o coordenador do programa AMOR, Ivo Razzini, a comunidade terapêutica já é atendida quinzenalmente pela equipe de saúde, mas, a pedido da Defensoria Pública, o serviço foi reforçado. “Aqui é uma área que nós já atendemos, estamos sempre fazendo a rotina com vacinas, com atendimento médico, bucal e tudo mais. Nossos ciclos são de, em média, 15 dias”, afirma. 

Conforme o servidor, por já serem conhecidos da comunidade, os profissionais de saúde contam com uma boa relação com os pacientes. “O feedback é maravilhoso! Principalmente quando a gente vem para ficar o dia todo. Eles fazem almoço, chamam a gente pra sentar como amigos porque são situações que eles não têm no dia-a-dia. É difícil sair daqui para ir lá na cidade fazer um atendimento e nós estamos trazendo aqui pra eles. É gratificante para nós!”, comenta. 

Rogério Borges Freitas, primeiro subdefensor público-geral do Estado, explica que a missão da Defensoria Pública é atender pessoas hipossuficientes e, por isso, organizou a ação, convidando o programa AMOR. “Solicitamos o apoio da Prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, e fomos prontamente atendidos. Quero externar a minha profunda gratidão ao prefeito e a toda sua equipe, que nunca deixou faltar nenhum tipo de atendimento, quando a Defensoria solicitou. A missão é dar dignidade e cidadania a essa população”, conta. 

Dentre os atendidos na ação, estava Antônio Anderson dos Santos e Silva, 36 anos, que tomou a primeira dose da vacina contra a covid-19. Segundo ele, estava receoso, mas mudou de ideia devido ao fato de o passaporte da vacinação estar sendo cobrado em diversos locais. “Eu estava com medo. Mas hoje em dia se você for num banco e não tiver o comprovante de vacinação, você não entra. A acessibilidade sem o comprovante de vacina vai ser zero”.  Já vacinado, ele comemorou a oportunidade de receber a vacina em seu local de moradia e disse que irá tomar as demais doses do imunizante. “Foi uma benção porque eu acho que isso não acontece em lugar nenhum. Nós somos privilegiados, principalmente nós que por andar em lugares diferentes, a sociedade está dando uma segunda chance pra nós”. 

Outro beneficiado com a ação foi Maicon Elias, 29 anos, que fez o teste rápido de covid-19. “Eu estava com sintomas de dor de barriga, febre, ânsia de vômito, febre, dor de cabeça há 4 dias. Fiz o teste e, graças a Deus, deu negativo. Estou mais aliviado e mais tranquilo”, relatou. A respeito do atendimento no local, o jovem se mostrou agradecido. “Eu achei muito bom e agradeço muito a Deus por isso porque facilita muito, ajuda muito”.

 

Comunidade terapêutica Tenda de Abraão 

 

Tenda de Abraão é uma associação que existe desde 2013, oferecendo tratamento para dependentes de álcool e outras drogas e, atualmente, atende a 74 homens e 46 mulheres. No local, são desenvolvidos projetos de escolarização e cursos profissionalizantes. “A gente começou com apenas quatro peças, que hoje é o administrativo, e hoje temos alojamento, temos um lindo refeitório, temos um templo grande, tudo por esforço e mão-de-obra dos acolhidos, direcionados pelo pastor Raimundo e ajuda da sociedade”, relara a pedagoga Maria José Carvalho de Assis, coordenadora da comunidade.

Com relação à assistência em saúde garantida pela Prefeitura de Cuiabá, Maria conta que sempre existiu. “Temos atendimento pela Prefeitura desde o início. Depois surgiu o projeto AMOR, que tem um compromisso conosco de fazer consultas, exames, encaminhamentos. Então, nós estamos sendo assistidos e a Prefeitura está nos ajudando a cuidar da saúde porque prevenir é melhor do que combater depois”, declara.

 

Verifique também

6e037f78-df6e-4a7e-85bb-e6c08e853990

Defesa territorial é fundamental para assegurar proteção de mulheres e crianças yanomami, defende MPF em audiência pública

Durante debate na Câmara dos Deputados, procurador apontou o garimpo ilegal como principal fator de risco para a comunidade indígena