terça-feira , 17 maio 2022
Para Kassab, Ciro é a 'única terceira via' e aliança não é impossível

Para Kassab, Ciro é a ‘única terceira via’ e aliança não é impossível

O presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, afirmou na terça-feira, 3, que considera difícil, mas não impossível, uma aliança da legenda com o pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto, Ciro Gomes. Para Kassab, Ciro é “a única terceira via” e seria “extraordinária” opção de candidatura para enfrentar a polarização Lula-Bolsonaro.

“Continuo torcendo para termos uma terceira via. E o Ciro seria uma extraordinária terceira via”, disse Kassab em entrevista à Rádio Bandeirantes. De acordo com o dirigente do PSD, é necessário acompanhar o desempenho de Ciro nas pesquisas para entender a viabilidade de sua candidatura. “A pergunta é: será que essa terceira via, que eu acho que é o Ciro, consegue até início de junho ter pelo menos 10% na (pesquisa) espontânea? Se tiver 10% na espontânea, vai ter uns 15% na pesquisa (estimulada)”, afirmou Kassab.

DIRETÓRIOS

Kassab, no entanto, reforçou que a tendência é de liberar os diretórios estaduais do PSD para apoiar quem quiserem na disputa presidencial. A possibilidade de o partido se aliar à candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já no primeiro turno da disputa presidencial é considerada remota.

No Twitter, Ciro agradeceu à manifestação de Kassab. “Estamos crescendo e vamos surpreender. O Brasil precisa de nós para rompermos esta polarização odienta”, escreveu.

Nas últimas semanas, Ciro tem concentrado esforços em atrair o PSD e o União Brasil em torno da sua candidatura. O União Brasil, presidido por Luciano Bivar, deve oficializar o desembarque da chamada terceira via com a possibilidade de construir uma chapa pura à Presidência.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Verifique também

7fd15933-a61b-41c9-9421-7e8ffaaca43d

STF declara inconstitucionais leis que preveem foro especial para delegados de polícia e procuradores de Estado

Decisão atende pedido do MPF em ações diretas contra constituições dos estados do Rio de Janeiro, Maranhão e Mato Grosso do Sul