sábado , 4 dezembro 2021
d03e4978-5008-4c7b-88d4-56e9bdcd8a10

MPF: TRF-2 determina retomada das aulas presenciais na rede federal do Rio

O retorno deverá ocorrer no prazo máximo de duas semanas, cumprindo os protocolos sanitários para proteção de professores e alunos


Arte: Secom MPF

Em agravo interposto pelo Ministério Público Federal (MPF), o Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) determinou a retomada das aulas presenciais (ensino superior e educação básica) nas instituições de ensino federal no Rio de Janeiro. Para tanto, será preciso a manutenção ou melhora dos presentes indicadores da pandemia no município, conforme critérios técnico/epidemiológicos/científicos determinados pelas Secretarias Estadual e Municipal de Saúde; e a implementação, pelas unidades de ensino, de protocolos sanitários específicos, voltados à proteção dos alunos e dos funcionários/professores, em consonância com os melhores critérios técnicos e científicos vigentes, tudo no prazo máximo de duas semanas.

As aulas na modalidade presencial estavam suspensas desde o ano passado na rede devido à pandemia de covid-19. As instituições que deverão retornar às aulas presenciais são: Cefet/RJ (Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca), o Colégio Pedro II, o IFRJ (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro), o Ines (Instituto Nacional de Educação de Surdos), a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) e a Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro). O Colégio Brigadeiro Newton Braga já retornou ao ensino presencial.

“A iniciativa do Ministério Público Federal, no sentido de exigir das instituições de ensino públicas federais um plano de ação para o retorno às aulas presenciais se mostra não apenas oportuna como imprescindível, não sendo razoável que inexista a previsão de um prazo próximo a ser definido para esse retorno quando se sabe que as instituições privadas de ensino já se encontram ministrando aulas presenciais desde o ano passado. Por sua vez, é fato notório que as escolas do ensino fundamental municipais e estaduais públicas do Rio de Janeiro também recentemente retomaram as aulas presenciais, logrando organizar-se razoavelmente para tanto, a despeito das dificuldades financeiras sempre presentes”, analisou o desembargador Federal Marcelo Pereira da Silva, ao proferir sua decisão.

No recurso ao TRF-2, o MPF alegou que o ensino remoto ofertado é de “baixíssima qualidade, não acessível a todos os alunos, e não atende aos requisitos fixados pelo CNE (Conselho Nacional de Educação)”, além de não cumprir a carga horária legal e intensificar as desigualdades sociais e de oportunidades de acesso ao ensino de qualidade. O MPF potuou ainda que a situação sanitária no estado do Rio de Janeiro está melhor, com os mapas de risco de contágio entre os níveis baixo e moderado, além de a vacinação contra a covid-19 estar avançando e a permissão de atividades não essenciais, como torneios de futebol e restaurantes.

Ação civil pública

No começo de julho, o MPF ingressou com ação civil pública para assegurar o retorno de aulas presenciais na rede federal de ensino no Rio de Janeiro. Na ocasião, foi pedido o retorno até o último dia 18 de outubro. No entanto, o pedido de liminar foi indeferido em 1ª instância, levando o MPF a ingressar com recurso junto ao TRF-2.

Na ação, os procuradores da República Fábio Moraes de Aragão e Maria Cristina Manella Cordeiro argumentavam que “diante do novo cenário de crescente imunização da população adulta brasileira, a excepcionalidade pontual que fundamentou a edição de atos normativos autorizadores de ensino integralmente à distância contando como carga horária letiva, a exemplo da Portaria n. 617, de 03 de agosto de 2020, do Ministério da Educação, e do Parecer CNE/CEB 05/2020, não encontra mais respaldo na atual situação em que se encontra o país, especialmente o Estado do Rio de Janeiro, podendo e, mais que isso, devendo o Poder Judiciário conferir nova ponderação aos interesses em conflito no caso em testilha, proferindo decisão que garanta maior efetividade ao Direito Básico e Fundamental da Educação, sem virar as costas ao direito à saúde”.

Ação Civil Pública nº 5072345-69.2021.4.02.5101

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República no Rio de Janeiro
twitter.com/MPF_PRRJ
Atendimento à imprensa:  
Canal no Telegram: https://t.me/mpfrj

Verifique também

Secretária de Estado de Assistência Social e Cidadania, Rosamaria Carvalho, participa da inauguração do Sine de Brasnorte

Sine Estadual é inaugurado no Brasnorte

Mato Grosso conta com 33 postos de atendimento do Sine, presentes em 30 municípios do Estado

Enquete

EM QUAL DESSES NOMES VOCÊ VOTARIA PARA GOVERNADOR.

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Toque do Chefe

Bate Papo com Crispim Neto

TDT-TV AO VIVO