segunda-feira , 16 maio 2022
Ministro da Saúde diz que não há infectologista no ministério

Ministro da Saúde diz que não há infectologista no ministério

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro Marcelo Queiroga (Saúde) disse à CPI da Covid que a decisão de voltar atrás na nomeação da médica Luana Araújo na Secretaria Extraordinária de Combate à Covid-19 foi dele e não houve “óbice da Casa Civil” à infectologista. “A Casa Civil aprovou o nome dela”, afirmou Queiroga.


Em depoimento à comissão, Luana disse que havia sido avisada pelo ministro dez dias após o anúncio de que assumiria a secretaria de que o “nome dela não havia sido aprovado na Casa Civil”.

A declaração reforçou a suspeita do colegiado de que o ministro não tem autonomia. Segundo ele, o problema foi que a médica não promovia “o consenso” que ele queria.

“Só que nesse ínterim, o nome da Luana, apesar da qualificação técnica, começou a sofrer muitas resistências, em face dos temas que são tratados aqui, onde há uma divergência muito grande na classe médica, isso é patente, divergência de grupo de médico A, de grupo de médico B”, disse.

“Eu entendi que naquele momento, a despeito da qualificação dela, não seria importante a presença dela para contribuir para a harmonização desse contexto. Então num ato discricionário desse ministro decidi não efetivar a sua nomeação”, concluiu.

Queiroga ainda disse que ela iria ocupar o lugar de infectologista no ministério, já que a única médica na pasta com esta especialidade é da CGU (Controladoria Geral da União). Segundo Queiroga, o ministério conta apenas com consultores infectologistas.

Verifique também

Os cursos marcam o início das atividades na Escola Técnica Estadual (ETE) de Cuiabá, inaugurada no final de março.

Seciteci oferta 960 vagas para cursos na Escola Técnica Estadual de Cuiabá

As inscrições serão realizadas no período de 24 de maio a 03 de junho