segunda-feira , 27 junho 2022

Maduro amplia poder de militares ao nomear general para chefiar PDVSA

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ampliou o poder dos militares em seu governo, ao entregar, neste domingo (26), ao general Manuel Quevedo, o comando da petroleira estatal PDVSA, pilar da economia venezuelana e declarada em default, devido a uma dívida milionária. 

Maduro nomeou o general da Guarda Nacional presidente da “nossa amada PDVSA” e ministro do Petróleo, com a promessa de fazer “uma reestruturação total” da companhia, que aporta 96{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} das divisas do país.

O mandatário, que fez o anúncio durante seu programa semanal de televisão, estabeleceu como principal desafio “elevar a produção” petroleira, que se situa em 1,9 milhão de barris diários (mbd) contra 2,27 mbd em 2016. A mesma alcançou 3,2 mbd em 2008.

Especialistas atribuem esta queda ao baixo investimento em infraestruturas devido ao alto gasto público a cargo da PDVSA.

A menor produção, combinada com a redução nos preços do petróleo, levou o país – que depende de importações – a uma profunda crise, com escassez de alimentos básicos e remédios e uma inflação que o FMI projeta em mais de 2.300{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} para 2018.

– “Lealdade incondicional” –

Venezuela e PDVSA foram declaradas recentemente em default por um grupo de detentores de bônus e pelas agências de classificação de risco Standard & Poor’s e Fitch, devido ao atraso em pagamentos de capital e juros de títulos da dívida.

Os bônus da empresa representam 30{ce2551fde2e1a4b26c8301536bdeec1ec9d30bdaca74ae8a9a9dcfce14bbd35b} de uma dívida externa venezuelana estimada em 150 bilhões de dólares, que Maduro tenta renegociar.

A Venezuela, país com as maiores reservas petroleiras do mundo, deve pagar até o fim do ano centenas de milhões de dólares de dívida soberana e da PDVSA, e outros US$ 8 bilhões em 2018.

O presidente nomeou outro militar como ministro do Comércio Exterior: o capitão José Vielma Mora, ex-governador do estado de Táchira (leste).

Pelo menos um terço do gabinete de Maduro é formado por oficiais da ativa ou da reserva.

É um poder que, segundo analistas, transforma a Força Armada no principal apoio do presidente socialista, com baixa popularidade e cujo mandato terminará em janeiro de 2019.

O alto comando reitera com frequência sua “lealdade incondicional” a Maduro e à Revolução bolivariana, fundada por seu falecido antecessor, Hugo Chávez (1999-2013).

Hoje, os militares intervêm em diferentes setores, inclusive a produção e a distribuição de alimentos.

Maduro também criou em 2016 a Companhia Anônima Militar de Indústrias Mineiras, Petrolíferas e de Gás (Camimpeg), que vincula à Força Armada a exploração de jazidas.

– Corrupção –

Como chefe da Guarda Nacional em Caracas, o novo presidente da PDVSA foi chave no controle dos protestos contra Maduro, convocados em 2014.

As manifestações deixaram 43 mortos e o líder opositor Leopoldo López, atualmente em prisão domiciliar, foi condenado a quase 14 anos de prisão, acusado de instigar a violência.

Na época, a oposição responsabilizou pela violência militares e policiais, tal como ocorreu entre abril e julho deste ano, com manifestações que deixaram 125 mortos.

Esta, no entanto, não é a primeira vez que um militar chefia a PDVSA. O general Guaicaipuro Lameda o fez entre outubro de 2000 e fevereiro de 2002, vindo posteriormente a se tornar opositor de Chávez.

Além dos problemas financeiros e estruturais, a PDVSA, que chegou a aparecer entre as maiores petroleiras do mundo, sofre com o flagelo da corrupção. A Justiça investiga vários casos.

Há uma semana, autoridades detiveram seis altos diretores da Citgo, sua filial nos Estados Unidos, acusados de assinar contratos “leoninos” para refinanciar a dívida por US$ 4 bilhões, colocando a subsidiária como garantia.

Segundo o governo, no meio havia uma propina de 50 milhões de dólares.

Washington pediu para ter acesso a cinco dos capturados com nacionalidade venezuelana e americana, revelou Maduro neste domingo.

“Que coincidência! (…) Não lhes parece estranho o encarregado de negócios da embaixada dos Estados Unidos (Lee McClenny) desesperado por defender esses bandidos?”, questionou o presidente.

 

Por AFP

Verifique também

Johnny Depp aceita voltar ao Piratas do Caribe (em troca de milhões)

Johnny Depp aceita voltar ao Piratas do Caribe (em troca de milhões)

Há boas notícias para os fãs de Johnny Depp no papel de Jack Sparrow. O …