quinta-feira , 26 maio 2022
Lula diz que Bolsonaro se vangloria 'com trabalho dos outros'

Lula diz que Bolsonaro se vangloria ‘com trabalho dos outros’

Em disputa de paternidade pelas obras de transposição do Rio São Francisco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ironizou o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas redes sociais. “Tem gente se vangloriando com o trabalho dos outros”, disse o petista em publicação nesta sexta-feira, 12, no Twitter, ao argumentar que 88% das obras foram feitas nos governos dele e da ex-presidente Dilma Rousseff e que Bolsonaro “só apareceu para tirar foto”. O presidente participou na terça, 9, da inauguração de um trecho da transposição, o que suscitou trocas de acusações com o petista sobre as responsabilidades de cada um na obra.

“Desesperado com o resultado das pesquisas eleitorais que mostram sua rejeição na região Nordeste, [Bolsonaro] tenta ganhar alguma popularidade às custas do trabalho e dedicação alheios. Ele foi o responsável por apenas 7% da obra”, atacou Lula em texto publicado no seu site.

Como mostrou reportagem do Broadcast Político em novembro, a “paternidade” da transposição é considerada um ativo eleitoral e, por isso, é disputada por Lula, Bolsonaro e pelo ex-ministro da Integração Nacional Ciro Gomes (PDT), outro pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Os três tentam manter as digitais na “chegada das águas ao sertão” – que, porém, só deve ser concluída integralmente em 2024. Ou seja, será uma herança para o próximo presidente.

Em entrevista na quarta, 9, Lula disse que a transposição é uma herança de seu governo e desafiou Bolsonaro a mostrar isso. Em resposta, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, afirmou que a obra foi marcada por “abandono e desperdício” nos anos em que esteve sob a gestão petista e disse que a intervenção “não tem dono”.


Verifique também

6e037f78-df6e-4a7e-85bb-e6c08e853990

Defesa territorial é fundamental para assegurar proteção de mulheres e crianças yanomami, defende MPF em audiência pública

Durante debate na Câmara dos Deputados, procurador apontou o garimpo ilegal como principal fator de risco para a comunidade indígena