quarta-feira , 18 maio 2022
b3bce030246bd07bb6220199bcb1f51461d654d05c6af

Lúdio Cabral recomenda que escolas sejam postos de vacinação contra covid para crianças

Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O deputado estadual e médico sanitarista Lúdio Cabral (PT) apresenta, na sessão desta quarta-feira (9), requerimento ao governador e ao secretário de Estado de Saúde para que as escolas se tornem postos de vacinação contra a Covid-19, para ampliar a imunização das crianças em Mato Grosso. Levantamento feito por Lúdio na terça-feira (8) mostrou que menos de 33 mil crianças entre 5 e 11 anos receberam a vacina contra covid no estado, o que corresponde a cerca de 6% da população dessa faixa etária.

Lúdio recomenda que o início do ano letivo seja acompanhado do início da vacinação nas escolas, e que a vacina seja aplicada nas crianças mediante autorização dos pais ou responsáveis. Além do requerimento ao governo, o parlamentar enviou também ofícios com a recomendação à Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) e ao Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (Cosems).

“Menos de 33 mil crianças entre 5 e 11 anos receberam a 1ª dose da vacina contra a covid, dentre as quase 500 mil que moram em Mato Grosso. Em meio ao tsunami provocado pela variante ômicron, no início do ano letivo, com o retorno das aulas presenciais, as crianças deveriam estar sendo vacinadas dentro das escolas. Esse é o esforço que o governo e prefeitura deveriam estar fazendo agora para ampliar a cobertura vacinal e proteger as crianças da covid”, disse Lúdio.

A variante ômicron provocou novo aumento dos casos de covid-19 no Brasil e em Mato Grosso. O deputado explicou que as vacinas protegem contra as formas graves da doença, de modo a evitar a intubação e a morte. Ele destacou também a necessidade de manter os cuidados como uso de máscaras, distanciamento físico e higiene das mãos com água e sabão ou álcool em gel para evitar o contágio.

Verifique também

32075d35-e3b9-46bc-b88f-63ce038f52d9

Lei Seca: para PGR, medidas legislativas que protegem a coletividade são constitucionais

No STF, Augusto Aras defendeu norma que estabelece infração administrativa a motorista que se recusa a fazer teste do bafômetro