quarta-feira , 18 maio 2022
Kátia Abreu diz esperar que Bolsonaro leve mensagem de paz para a Rússia

Kátia Abreu diz esperar que Bolsonaro leve mensagem de paz para a Rússia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Kátia Abreu (PP-TO), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, diz esperar que Jair Bolsonaro (PL) leve uma mensagem de pacificação em sua viagem para a Rússia, marcada para 14 de fevereiro.


O presidente brasileiro vai visitar a Rússia durante grave crise que a opõe à Ucrânia e ao Ocidente, e que gera temor de uma guerra. Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, os Estados Unidos têm pressionado o governo federal a cancelar a viagem em mais uma ação para tentar isolar o líder russo, Vladimir Putin.

“Estou sempre do lado da paz e do Brasil. Meu ponto é o meu país. Se não for pedir muito, espero que o presidente brasileiro aproveite a oportunidade da visita para levar uma mensagem de paz. E torço para que prevaleçam as tratativas diplomáticas como deseja a maioria da humanidade”, diz a senadora.

“Chefes de outros países estão visitando a Rússia, apesar do clima de tensão em relação à Ucrânia. Se, além dos interesses comerciais brasileiros, a visita do chefe de estado estiver focada na busca de alianças para favorecer acordos comerciais mais formais e sólidos, torço pelo êxito”, completa.

A crise foi desencadeada depois de o Kremlin mobilizar de 100 mil a 175 mil soldados em zonas próximas às fronteiras com a Ucrânia. Os EUA e aliados da Otan, a aliança militar ocidental, acusam Putin de preparar uma invasão do país vizinho, como fez em 2014, quando anexou a Crimeia.

Moscou, por sua vez, rejeita a expansão da Otan sobre territórios próximos à Rússia e quer a garantia de que a Ucrânia jamais fará parte do grupo. Putin nega qualquer intenção de promover uma invasão militar.

Verifique também

32075d35-e3b9-46bc-b88f-63ce038f52d9

Lei Seca: para PGR, medidas legislativas que protegem a coletividade são constitucionais

No STF, Augusto Aras defendeu norma que estabelece infração administrativa a motorista que se recusa a fazer teste do bafômetro