terça-feira , 17 maio 2022
6550a31051b11d07513357154530cbcb620d2adfdf749

Faissal aponta supostas irregularidades em concurso da Saúde

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O deputado estadual Faissal Calil (PV) apresentou, na sessão desta quarta-feira (16), na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o Requerimento n 83/2022 que solicita  informações ao governo do estado sobre o processo seletivo da Secretaria Estadual de Saúde (SES), realizado no início do ano. O parlamentar apontou algumas irregularidades que teriam ocorrido no certame.

Faissal explica que desde a fase de inscrições, existiram problemas de instabilidade no sistema, principalmente no dia 31 de janeiro, prejudicando assim algumas pessoas que pretendiam fazer inscrição no certame. O deputado também descreveu o caso de uma candidata que teve a inscrição efetivada, mas não teve o nome incluído nem na lista de aprovados e nem na de eliminados, desaparecendo dos cadastros do processo seletivo.

Queremos chamar a atenção dos órgãos de controle para que seja feito um novo teste. Este processo seletivo vai mudar praticamente 80% das pessoas que atuam em nossos hospitais. Imagine os diretores de hospitais lidando com estas pessoas novas, além de vermos gente gabaritada que fez o teste e não foi classificada. A questão que fica é a de qual foi o critério utilizado, ainda mais agora, em ano eleitoral”, afirmou.

No Requerimento, Faissal aponta que notícias deste tipo maculam por completo o certame, o que faz com que haja necessidade de profunda investigação e até mesmo a anulação de todo processo seletivo. 

No total, foram disponibilizadas 2.959 vagas para diversos perfis profissionais, com salários entre R$ 1,3 mil e R$ 7 mil, para 18 unidades geridas diretamente pelo Estado. Integraram o processo seletivo o Hospital Estadual Santa Casa, Hospital Metropolitano e os Hospitais Regionais de Alta Floresta, Colíder, Rondonópolis, Cáceres, Sinop e Sorriso.

Verifique também

7fd15933-a61b-41c9-9421-7e8ffaaca43d

STF declara inconstitucionais leis que preveem foro especial para delegados de polícia e procuradores de Estado

Decisão atende pedido do MPF em ações diretas contra constituições dos estados do Rio de Janeiro, Maranhão e Mato Grosso do Sul