sábado , 13 agosto 2022
EUA anunciam morte de líder da Al-Qaeda em operação no Afeganistão

EUA anunciam morte de líder da Al-Qaeda em operação no Afeganistão

WASHINGTON, EUA – Uma operação militar dos Estados Unidos realizada no fim de semana no Afeganistão matou o principal líder da Al Qaeda, Ayman al-Zawahiri, 71, segundo o presidente do país, Joe Biden.

Descrito pelo democrata nesta segunda-feira (1º) como o “cérebro de ataques contra americanos”, Zawahiri era o número dois da organização terrorista nos atentados de 11 de Setembro, abaixo apenas de Osama bin Laden, e era procurado pelos americanos há mais de duas décadas.

O ataque em Cabul foi feito com um drone na noite de sábado (30) e é, até onde se sabe, a primeira ação militar de Washington no país da Ásia Central desde a retirada das tropas há pouco menos de um ano, em agosto do ano passado, após 20 anos de ocupação. “A justiça foi feita”, afirmou o presidente americano.

Segundo autoridades americanas, Zawahiri estava em um abrigo e foi atingido com dois mísseis Hellfire. Biden, que está com Covid-19, falou, à distância do grupo limitado de jornalistas que pôde acompanhar o discurso, que autorizou “um ataque preciso que iria tirá-lo do campo de batalha, de uma vez por todas.”

Mais cedo, uma autoridade americana afirmou à imprensa que, “ao longo do fim de semana, os Estados Unidos conduziram uma operação de contraterrorismo contra um alvo importante da Al Qaeda no Afeganistão”, disse, antes que o ataque fosse confirmado pelo presidente americano. “A operação foi bem-sucedida e não houve mortes de civis”.

Zawahiri, 71, assumiu o comando da organização terrorista a partir da morte de Osama bin Laden, em 2011. Ele já fazia parte do grupo desde os anos 1990 e, à época do atentado do 11 de Setembro, era considerado um dos principais líderes da organização. Desde então era procurado pelo governo americano, que chegou a oferecer US$ 25 milhões de dólares como recompensa a informações que levassem a sua prisão, e seu paradeiro era desconhecido.

Além do 11 de Setembro, Zawahiri também é tido como responsável por outros ataques a tropas e instituições americanas entre os anos 1990 e 2000. Segundo o governo americano, ele ajudou a planejar, ao lado de outros oficiais da Al Qaeda, um ataque no Iêmen que matou 17 oficiais da Marinha americana e feriu outras 30. Ele foi indiciado nos Estados Unidos também por participar dos bombardeios a embaixadas americanas no Quênia e na Tanzânia em agosto de 1998, em episódios que mataram 224 pessoas e deixaram mais de 5.000 feridas.

Um porta-voz do Talibã, grupo que controla o Afeganistão desde agosto do ano passado, confirmou que um ataque de drone ocorreu em Cabul neste domingo (31) e afirmou que o episódio “é uma clara violação dos princípios internacionais e do Acordo de Doha [que estabeleceu em 2020 a retirada de tropas americanas do país]”. Segundo o grupo, o ataque ocorreu a uma área residencial -o que, segundo analistas, sinaliza o conforto que líderes da Al Qaeda encontraram sob o domínio do Talibã no Afeganistão.

“A natureza do incidente não foi revelada a princípio. As agências de segurança e inteligência do Emirado Islâmico investigaram o incidente e descobriram que o ataque foi realizado por drones americanos”, disse o Talibã. “Tais ações são uma repetição das experiências fracassadas dos últimos 20 anos”.

As autoridades americanas se apressaram para dizer que não houve mortes de civis neste fim de semana devido à pressão sobre o último episódio de repercussão com um equipamento do tipo, à época da retirada das tropas americanas. Na ocasião, Washington mirava células locais do Estado Islâmico e afirmou que o ataque “eliminava ameaça iminente”. “Estamos confiantes que atingimos o alvo com sucesso. Explosões secundárias significativas do veículo indicaram a presença de quantidade substancial de material explosivo”, disse o porta-voz do Comando Central da região.

Quase um mês depois, no entanto, sob pressão após investigações independentes questionarem o sucesso do ataque, que terminou com a morte de 10 civis, incluindo crianças, o governo americano assumiu que foi “um erro trágico”.

Egípcio nascido em Gizé, Zawahiri vem de família abastada: seu avô havia sido imã (sacerdote) na Universidade al-Azhar, no Cairo, e seu tio-avô, primeiro-secretário da Liga Árabe. Zawahiri entrou para a Irmandade Muçulmana, organização islâmica radical com base no Egito, ainda na adolescência e fundou o grupo terrorista Jihad Islâmica em 1979. Foi preso por planejar um atentado ao então presidente egípcio, Anuar Sadat, antes de unir-se à Al Qaeda nos anos 1990. Sob seu mando, a Al Qaeda perdeu espaço na última década para o Estado Islâmico, uma organização terrorista que chegou a controlar partes da Síria e do Iraque.

Verifique também

Descobertas bizarras encontradas em lugares mais que inesperados

Descobertas bizarras encontradas em lugares mais que inesperados

Muitas descobertas fascinantes foram feitas ao longo dos anos. Mas, às vezes, elas podem ser …