sábado , 13 agosto 2022
Dirigentes nacionais do PT antecipam voto por rompimento com Freixo

Dirigentes nacionais do PT antecipam voto por rompimento com Freixo

Quatro integrantes da Executiva nacional do PT se posicionaram nesta quarta-feira, 3, publicamente contra a candidatura do deputado federal Alessandro Molon (PSB) ao Senado pelo Rio. Eles devem engrossar o movimento contrário à aliança com o PSB fluminense – e o apoio à candidatura de Marcelo Freixo ao governo do Estado – na reunião, hoje, da direção nacional petista. A maioria, porém, defende a aliança.

O apoio a Freixo foi decidido pelo PT em meio às articulações da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência. Em troca, os petistas esperavam indicar o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, André Ceciliano (PT), como candidato da chapa ao Senado. Presidente estadual do PSB, Molon não concorda em abdicar da candidatura. “Não fiz e não participei de qualquer acordo para ceder ao PT a vaga para o Senado”, disse em nota.

A decisão contraria o PT, que pressiona por candidato único da coligação ao Senado. Insatisfeita, a Executiva estadual do PT no Rio aprovou, anteontem, o rompimento da aliança com Freixo, acusando o PSB de descumprir o acordo estadual. A decisão ainda deve ser validada pelos demais partidos da federação: PCdoB e PV.

Integrantes do PT fluminense e do diretório nacional insistem que Molon quebrou o acordo. “Testemunhei o acordo firmado, que é defendido pelo próprio Freixo”, disse a deputada Benedita da Silva, que representa o Rio na Executiva. O ex-secretário nacional de Comunicação do PT Alberto Cantalice, membro do diretório nacional, disse que Molon “traiu” o PT e está causando prejuízos à campanha de Freixo.

O secretário nacional de Comunicação do PT, Jilmar Tatto, e o vice-presidente nacional do PT, Washington Quaquá, defenderão, na reunião, o apoio ao ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves (PDT) ao governo.

Dois nomes

O movimento, no entanto, encontra resistência não só no PT do Rio, que em abril aprovou o apoio a Freixo por 52 dos 55 votos. O candidato petista ao governo de São Paulo, Fernando Haddad, pediu que o partido “não poupe esforços” para trabalhar pela eleição de Freixo. “Temos grande condição de ganhar a eleição no Rio. Temos um candidato que, se não é o líder, está próximo”, disse.

Integrantes da campanha de Lula sugerem manter os dois candidatos ao Senado no Rio, com Freixo candidato ao governo. Durante o anúncio de Cesar Maia (PSDB) como vice, na semana passada, Freixo disse ter “convicção” de que Lula estará ao seu lado na campanha.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


Verifique também

Após STF, Congresso quer aumentar os próprios salários para R$ 36,8 mil

Após STF, Congresso quer aumentar os próprios salários para R$ 36,8 mil

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) apresentar proposta de aumento de 18% para seus ministros …