quarta-feira , 10 agosto 2022

Conselho de Psicologia recorrerá de decisão que mantém ‘cura gay’

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) anunciou neste sábado que vai recorrer da decisão do juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, que nesta sexta-feira manteve a liminar permitindo a psicólogos fazerem pesquisas científicas ou oferecerem tratamento a homossexuais que não aceitam sua condição (descritos como “egodistônicos”) e buscam tratamento de forma voluntária.

Em nota assinada por 23 Conselhos Regionais de Psicologia, o CFP classifica como “equivocada” a decisão do magistrado, proferida em uma ação movida por um grupo de 23 psicólogos que pede a suspensão da Resolução 1/99 do Conselho Federal de Psicologia, segundo a qual é proibida a abordagem de comportamentos homossexuais como doença. Carvalho apontou que a orientação sexual “egodistônica” é um transtorno psíquico catalogado na Classificação Internacional de Doenças e está passível de tratamento.

O CFP afirma que a psicologia trata o sofrimento psíquico nestes casos “sem utilizar terapias de reversão sexual” e que é necessário “entender que o sofrimento não está nas orientações sexuais em si mesmas (homossexualidade, bissexualidade ou heterossexualidade), mas relacionadas às condições sociais que atribuem sentido pejorativo às suas expressões e vivências, prejudicando a qualidade da vida psíquica e social”.

Sobre o argumento de que a Resolução 01/99 impede o avanço de pesquisas científicas na área da sexualidade, o CFP diz que a alegação “não tem qualquer sustentação de base técnica”, já que o Conselho não tem competência para regular pesquisas científicas.

O CFP conclui o comunicado afirmando que a resolução “impacta positivamente” o combate ao preconceito e a proteção dos direitos da população LGBT. “A Psicologia brasileira não será instrumento de promoção do sofrimento, do preconceito, da intolerância e da exclusão”.

Em sua decisão, o juiz considera o Conselho Federal de Psicologia intransigente ao não admitir qualquer outra alternativa de atendimento aos homossexuais egodistônicos, mesmo quando procuram auxílio voluntariamente. Para ele, o CFP promove “verdadeira discriminação” aos homossexuais nessa situação ao impedir qualquer alternativa de atendimento psicoterapêutico.

Ele manteve, entretanto, a validade da Resolução 1/99 do CFP, e afirmou que seu objetivo não é promover a “cura gay”, mas coibir a “censura prévia” praticada pelo CFP.

 

Por MSN

Verifique também

Mortes bizarras de famosos que quase ninguém ouviu falar

Mortes bizarras de famosos que quase ninguém ouviu falar

Há muitas mortes de celebridades que todos conhecem, incluindo as de Michael Jackson e Marilyn …