sexta-feira , 22 outubro 2021
Conab prevê safra recorde, mas oferta de alguns produtos ainda é incerta

Conab prevê safra recorde, mas oferta de alguns produtos ainda é incerta

Produção de grãos vai a 289 milhões de toneladas; estoque de arroz cresce, mas o de feijão fica limitado.

Após um ano de demandas interna e externa aceleradas e de oferta menor de produto, 2022 deverá ser um período mais folgado em termos de abastecimento.

A primeira estimativa de produção de grãos da safra 2021/22 indica área e produção recorde no país. Os agricultores deverão semear 71,5 milhões de hectares com culturas temporárias, com previsão de uma safra de 289 milhões de toneladas. A área cresce 3,6%, e a produção, 14,2%.

Os dados são da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que adverte, no entanto, que são as primeiras estimativas. Será um período de La Niña, o que coloca dúvidas sobre como o clima afetará as principais regiões produtoras. Por ora, o plantio está sendo feito no período ideal e com clima favorável.

Confirmados os dados de produção, o país voltará a ter boa sobra de produtos no final da safra, nas contas da Conab. Esse volume dependerá, porém, do apetite externo por importações e do comportamento do dólar. Sem um arranjo na economia, a moeda norte-americana continuará elevada, facilitando exportações.

 O arroz, cereal que vinha pesando muito no bolso do consumidor e afetando a taxa de inflação, deverá terminar a safra 2021/22 com estoques finais de 2,7 milhões de toneladas, um volume recorde.

Esse aumento ocorre mesmo com redução de produção e aumento da exportação em 2022. O estoque será impulsionado pela sobra de 2,5 milhões de toneladas da safra 2020/21.

O mesmo não ocorre com o feijão, que continuará com oferta reduzida nesta safra, assim como foi na anterior. Só a partir de janeiro, o volume a ser colocado no mercado aumenta. Com isso, os estoques finais da safra 2021/22 ficam em 158 mil toneladas, um dos menores patamares para a leguminosa.

O milho, se o clima ajudar, poderá voltar ao normal nesta safra, após uma situação bastante anormal na anterior. Nos cálculos da Conab, a produção sobe para 116 milhões de toneladas, atendendo consumo interno e exportações, além de deixar uma sobra de 11,5 milhões de toneladas no final da safra 2021/22.

Os destaques da safra que se inicia são soja, que chegará a 141 milhões de toneladas, e milho, cuja produção, após a forte redução neste ano, voltará a ser recorde no próximo.

Como alerta Candice Santos, superintendente de informações da agropecuária da Conab, a previsão é de uma safra recorde, mas vai depender do clima. Para Sergio De Zen, diretor da entidade, as condições atuais são bastante favoráveis, mas as variáveis climáticas deverão ser bem observadas durante a safra.

O alerta dos técnicos da Conab tem fundamento nesse período de incertezas climáticas. Em abril deste ano, a Conab previa uma safra de 274 milhões de toneladas em 2020/21. Com a quebra de 22 milhões de toneladas na produção de milho, a safra ficou em apenas 253 milhões.

Se a produção de milho encolheu, a de trigo será recorde. O país deverá produzir 8,2 milhões de toneladas neste ano, 31% a mais do que em 2020. Este é um produto que o país é dependente do mercado externo, importando 50% do consumo (Folha de S.Paulo, 8/10/21)

Verifique também

Campanha Brasileiros pelo Brasil leva alimentos da agricultura familiar a quem precisa

Campanha Brasileiros pelo Brasil leva alimentos da agricultura familiar a quem precisa

O Governo Federal a fim de fazer a ligação entre quem planta e produz e quem está em situação de vulnerabilidade e precisa de alimento, por meio da Fundação Banco do Brasil, lançou a campanha Brasileiros pelo Brasil, nessa terça-feira (19).