terça-feira , 28 junho 2022
51ec593c06bb70e9d6d27c6b93434967

Compra de Azitromicina pela Prefeitura de Várzea Grande foi regular, aponta TCE-MT

Foto: Tony Ribeiro/TCE-MT
Conselheiro-relator, Antonio Joaquim.

Por unanimidade, o Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) julgou regular tomada de contas ordinária (TCO) instaurada para apurar supostas irregularidades em contrato oriundo da Dispensa de Licitação nº 53/2020, para aquisição do medicamento Azitromicina pela Prefeitura de Várzea Grande. 

Sob relatoria do conselheiro Antonio Joaquim, o processo diz respeito à compra realizada em 2020 e foi apreciado durante a sessão ordinária desta terça-feira (14). 

De acordo com o relator, embora tenham ocorrido falhas na pesquisa de preço de referência da dispensa da licitação e não tenham sido solicitados propostas de todos os potenciais fornecedores, não houve superfaturamento no trâmite.

Na ocasião, mencionou o contexto da pandemia de Covid-19. “Restou comprovado nos autos a elevação dos preços do medicamento Azitromicina em julho de 2020, com a decorrência da falta de estoques por parte dos fornecedores”, explicou. 

Além disso, destacou a compatiblidade do preço praticado pela Secretaria de Saúde com os preços registrados no sistema Radar referentes à aquisição efetuada à época, à exemplo de compra realizada pela Prefeitura de Rondonópolis, pelo mesmo preço. 

Por esses fatores, acolheu o parecer do Ministério Pùblico de Contas (MPC) e votou pela regularidade da TCO, com emissão de recomendações à atual gestão.

“Recomendo que nas futuras contratações seja solicitada proposta comercial de todos os potenciais fornecedores, bem como justificada eventual variação de preços de mercado, garantindo a melhor proposta para a administração e a transparência necessária nas aquisições públicas”, concluiu.

 

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
E-mail: imprensa@tce.mt.gov.br
Flickr: clique aqui

Verifique também

958029a5-218d-4a21-ab8a-a166f340a199

STF mantém decisão que proíbe empresa de participar de licitações e firmar contratos com o poder público

Supremo acatou manifestação do MPF contra pedido de empresa condenada por fazer doação acima do limite legal nas eleições de 2014