sábado , 16 outubro 2021
Com Brasil em crise, Guedes diz que economia 'voltou em V'

Com Brasil em crise, Guedes diz que economia ‘voltou em V’

Apesar da queda no Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2021, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou nesta quarta-feira que a economia “voltou em V”, recuperando-se da recessão provocada pela pandemia de covid-19. Segundo ele, a queda mostra que a economia ficou “praticamente de lado”, ou seja, praticamente estável.


“Diziam que eu estava em universo paralelo quando eu dizia que Brasil ia voltar em V”, disse o ministro durante o lançamento da agenda legislativa da Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo. “A economia voltou em V, estamos crescendo novamente. Hoje saiu um dado (PIB), é praticamente de lado. Como foi -0,05%, arredondou para -0,1%. Se fosse -0,04% era zero”, afirmou.

Guedes disse ainda que o segundo trimestre do ano foi o “mais difícil”, devido ao novo pico de casos e mortes pela covid-19 e seus impactos na economia. Nesse período, vários locais voltaram a impor restrições à circulação e reforçaram a adoção de medidas de distanciamento social.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB registrou ligeira queda de 0,1% no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano. O resultado veio abaixo das estimativas de economistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam na média um crescimento de 0,2%.

De um lado, a volta do auxílio emergencial ajudou a dar algum impulso na demanda doméstica. De outro lado, apesar do recrudescimento da pandemia, que registrou números recordes de mortes em março e abril, as medidas de restrição ao contato social afetaram menos o funcionamento dos negócios do que se imaginava inicialmente. Ainda assim, a indústria da transformação foi um dos setores com perda no segundo trimestre do ano.

No primeiro trimestre de 2021, a economia havia surpreendido com um aumento de 1,2% no PIB na comparação com os três últimos meses de 2020. A retomada do início do ano foi puxada por atividades voltadas para a exportação, como a agropecuária e a indústria extrativa, enquanto a demanda interna foi mais morna.

Apesar do desempenho negativo da economia entre abril e junho, o Ministério da Economia avaliou em comunicado divulgado mais cedo que o País tem tido uma recuperação econômica mais rápida que outros países.

“Mais relevante do que observar o número do crescimento é analisar a sua qualidade”, disse a pasta. A Economia também destacou que a recuperação vem sendo puxada pelo setor privado, com aumento de investimentos e poupança.

O ministério listou ainda “a não continuidade da consolidação fiscal, o recrudescimento da pandemia e o risco hídrico” como os principais riscos à recuperação esperada nos próximos meses. O governo espera um crescimento de 5,3% neste ano, seguido de uma alta de 2,51% no PIB do ano que vem.

Guedes ressaltou ainda que, apesar do recrudescimento da pandemia no segundo trimestre do ano, o governo “manteve responsabilidade fiscal”. “Brasil enfrentou desafio extraordinário, mas pagando custos”, disse. “Não faltou dinheiro para saúde, mas mantivemos compromisso de controle das despesas”, afirmou.

O ministro disse ainda que o governo tem seguido a agenda proposta desde o início da gestão e mantido a interlocução com empresários. Ele reconheceu que “é uma agenda difícil”, mas afirmou que há avanços e repetiu que o Congresso é “reformista”. “Não perdemos a bússola, todas as reformas estão integradas”, afirmou.

Verifique também

Vendas de carros na UE têm queda anual de 23% com escassez de chips

Vendas de carros na UE têm queda anual de 23% com escassez de chips

Os registros de novos carros de passageiros na União Europeia (UE) – dado que reflete …