segunda-feira , 16 maio 2022
CNA, ABPA, Tereos, Katayama Alimentos e outras notícias do campo  Agronegócios

CNA, ABPA, Tereos, Katayama Alimentos e outras notícias do campo Agronegócios

agroround-forbes 1.jpg

Confira mudanças e novidades que movimentaram o agronegócio na última semana.

 A agropecuária registrou a criação de 140,9 mil novos postos de trabalho de janeiro a dezembro de 2021, o melhor desempenho desde 2011. Segundo a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), baseado em dados oficiais, o saldo de 2021 foi quase quatro vezes maior do que o de 2020, quando o setor registrou a criação de 36,6 mil vagas formais.

A região Sudeste foi a que mais gerou novos postos de trabalho na agropecuária, com um saldo de 79 mil empregos, seguido pelo Nordeste (20,7 mil) e Centro-Oeste (17,8 mil).

 De acordo com a CNA, “para 2022, poderemos esperar a criação de mais vagas de emprego, mas talvez em um ritmo um pouco mais lento do que o observado em 2021, que contou com o retorno ao mercado de trabalho de muitas pessoas que perderam seus postos em 2020”.

  

ABPA & ApexBrasil promoverão exportações de suínos e aves na Gulfood Dubai 2022

A ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), em parceria com a ApexBrasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), promoverá as ações do setor de aves durante a Gulfood Dubai 2022, maior feira mundial voltada para o mercado de alimentos halal, entre os dias 13 e 17 de fevereiro, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

 Participarão do evento 20 agroindústrias produtoras e exportadoras, como Aurora Alimentos, Copacol, Pif Paf e outras, para encontros de negócios com importadores.

 “A Gulfood marca o início de um calendário de ações anuais voltadas para o reforço às parcerias e às exportações brasileiras. Embora focada no mercado halal, a feira é global e alcança clientes dos nossos setores em todo o mundo”, diz Ricardo Santin, presidente da ABPA. “Nesta edição, trabalharemos com um novo produto, a carne de pato, que reforçará a já consolidada participação das agroindústrias de aves e ovos em atributos que diferenciam o Brasil como líder mundial nas exportações avícolas.”

  

Tereos realiza primeira exportação de açúcar pelo porto de São Francisco do Sul

Produtora francesa de açúcar, etanol e bioenergia com presença no Brasil, a Tereos realizou, em parceria com a Porto Commodities, a primeira exportação de açúcar pelo porto de São Francisco do Sul (SC).

 A companhia espera mitigar custos com despesas portuárias e de estadia, com economia de R$ 2 milhões neste primeiro embarque. O navio da operação transportou uma carga de mais de 19 mil toneladas de açúcar ensacado, com destino à África. A medida visa desafogar o trânsito de produtos via Porto de Paranaguá (PR)

 “O resultado de sucesso da operação permite que a companhia tenha um novo canal de exportações. Essa iniciativa, além de contar com novos parceiros e pontos de escoamento diferentes que auxiliam a empresa a reduzir o tempo de espera em filas portuárias, otimiza as operações”, explica Gustavo Segantini, diretor comercial da Tereos.

 

Katayama Alimentos conquista recertificação BRCGS com nota máxima

   A Katayama Alimentos, empresa de proteína animal sediada em Guararapes (SP), conquistou a nota máxima na recertificação BRCGS (Brand Reputation through Compliance), exigida por varejistas e que serve de atestado de qualidade ao consumidor.

 “ A cada ano, evoluímos na implantação da cultura de segurança de alimentos na empresa”, afirma Camila Dudzevicius Chagas Cuencas, gestora de operações industriais da Katayama.

 A recertificação tem validade de um ano e se baseia em auditorias que consideram estrutura predial, maquinários, equipe de colaboradores treinados entre outras exigências que garantam “um sistema robusto de segurança” de alimentos, livres de contaminações (físicas, químicas e biológicas) que possam causar danos à saúde.

 “A certificação é uma garantia de que oferecemos um alimento produzido a partir de rigorosos padrões de higiene, qualidade e segurança”, afirma Gilson Katayama, diretor comercial do grupo.

 

Kepler Weber vai investir R$ 65,3 milhões no Rio Grande do Sul

A Kepler Weber, empresa gaúcha paulistana de soluções para armazenagem agrícola, anunciou que investirá R$ 65,3 milhões na sua planta industrial no Rio Grande do Sul até 2025.

 O valor do investimento é referente ao saldo credor de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). “Como temos fornecedores que têm ICMS a pagar, o estado nos autoriza a transferir este crédito acumulado como novos investimentos”, explica Paulo Polezi, CFO da Kepler Weber.

  No ano passado, até setembro, a empresa investiu R$ 25,7 milhões em suas duas plantas industriais, a do Rio Grande do Sul e outra localizada no Mato Grosso do Sul.

 “O investimento feito a partir dos créditos de ICMS é apenas parte do volume que a companhia deve investir, já que temos projetos aprovados pelo conselho administrativo para aportes em diferentes áreas ao longo deste ano, como fizemos em 2021”, afirma Piero Abbondi, CEO da Kepler Weber.

 

Atvos qualifica mulheres para atuar no setor sucroenergético

A Atvos, empresa com capacidade de moagem de 36 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, por safra , qualificou, com um curso de capacitação, 24 mulheres que participaram do projeto Mova (Movimento Comunidade), iniciativa criada para fortalecer a inserção do público feminino no mercado de trabalho.

 O curso, com duração de um mês, ocorreu em em Nova Alvorada do Sul (MS). No conteúdo, os temas abordados foram “desenvolvimento pessoal, habilidades técnicas e atributos para o mercado de trabalho”. As participantes receberam certificado para atuação em área de colheita e plantio mecanizados.

 “A capacitação foi de extrema importância para a minha jornada profissional. Amo dirigir e já tinha experiência em trabalhar no campo, mas participar desta qualificação me possibilitou ainda mais conhecimentos e pude tirar dúvidas e aprimorar a minha prática”, conta Luzimar Vaz Ferreira, uma das formandas.

 

Grupo Piccin quer faturar R$ 330 milhões em 2025

A antiga Piccin Tecnologia Agrícola, sediada em São Carlos (SP), agora se chama Grupo Piccin, empresa com 58 anos de atuação no agronegócio. A mudança também passa a ser estrutural, com a criação de três braços de atuação nas áreas de equipamentos, componentes e inovação para o agronegócio; a empresa produz máquinas e implementos agrícolas . Com as mudanças na gestão do negócio, a empresa espera atingir faturamento de cerca de R$ 330 milhões até 2025, um salto de 50% na comparação com a atual receita..

  Nesse processo, a empresa investiu cerca de R$ 12 milhões em tecnologias, devendo investir outros R$ 12 milhões no desenvolvimento de novos produtos.

 “Essas mudanças permitiram que mesmo em plena pandemia, a Piccin adquirisse um grande fornecedor de peças, a Mancal Matão”, conta Camilo Ramos, CEO do Grupo Piccin.

 

Danone reorganiza unidades de negócios e expande presença no varejo

Como parte de uma reestruturação global, a Danone Brasil, com sede em São Paulo (SP), multinacional de produtos alimentícios, unificou seu portfólio e as unidades de produtos lácteos, base vegetal, águas e nutrição especializada.

 A empresa também informou que buscará novas áreas no varejo. “Anunciamos a expansão do nosso negócio para o varejo farmacêutico, que já tem alguns de nossos iogurtes funcionais”, diz Edson Higo, CEO da Danone Brasil. A expectativa com a expansão é que a empresa aumente suas vendas de 5% a 10%, anualmente, até 2025 no Brasil (Forbes, 7/2/22)

Verifique também

B3 vai lançar 1º índice de ações do agronegócio

B3 vai lançar 1º índice de ações do agronegócio

Ibovespa Imagem Money Times Diana Cheng O índice engloba quatro subsetores do agronegócio, que possuem …