segunda-feira , 8 agosto 2022
Bivar confirma Soraya Thronicke como candidata à Presidência pelo União Brasil

Bivar confirma Soraya Thronicke como candidata à Presidência pelo União Brasil

O presidente do União Brasil, deputado Luciano Bivar (PE), confirmou que o partido vai lançar a senadora Soraya Thronicke (MS) como candidata à Presidência da República. A decisão acontece depois de o próprio Bivar desistir de ser candidato ao Palácio do Planalto para tentar a reeleição como deputado.


Bivar afirmou que os ex-ministros Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública), Mendonça Filho (Educação), Fernando Coelho Filho (Minas e Energia) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde), todos filiados ao União Brasil, colaboram com o plano de governo da candidatura presidencial da senadora. “Com ela vem um plano de governo feito por quatro ex-ministros, não é um ex-ministro, são quatro ex-ministros. Não existe entre as candidaturas alguém que tenha um plano de governo tão consistente, tão substantivo quanto o da senadora Soraya Thronicke”, disse o dirigente partidário ao Estadão. Bivar e Soraya vão anunciar a nova candidatura presidencial na sede do partido em São Paulo na tarde desta terça-feira, 2.

A parlamentar é vice-líder do governo Jair Bolsonaro (PL) no Congresso, mas costuma adotar posições críticas ao presidente em relação à pandemia. Em entrevista ao Estadão em janeiro, ela não garantiu que iria votar em Bolsonaro e disse que era preciso construir uma “direita racional”. Diferentemente de Bivar, a senadora não precisa renovar o mandato e ainda tem mais quatro anos no Congresso, o que a permite entrar na disputa presidencial sem ter que abrir mão do cargo.

De acordo com Bivar, a decisão de recuar da candidatura presidencial aconteceu para dar atenção às propostas de reforma tributária que tramitam na Câmara. “É muito importante a gente ter uma força em defesa do Estado de Pernambuco, muitos pernambucanos achavam que era interessante eu ser deputado federal. Tem várias pautas sobre ICMS, sobre a independência, respeito ao ente federativo, o imposto único, a simplificação tributária é importante”, declarou.

Apesar disso, integrantes da cúpula do União Brasil dizem que o movimento de Bivar passou por um acordo de apoio informal ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Inicialmente, o diretório da legenda em Pernambuco calculava eleger os deputados federais Mendonça Filho e Fernando Coelho Filho. Colegas de Bivar no Estado dizem que ele vai tentar garantir a reeleição buscando se associar a Lula, que é popular em Pernambuco.

A maior parte do União Brasil, que é fruto da fusão entre o PSL, legenda que elegeu Bolsonaro em 2018, e o DEM, rechaça apoio ao candidato do PT. A resistência se concentra principalmente nos quadros oriundos do DEM. Mesmo em Pernambuco, Bivar tinha uma posição isolada sobre o diálogo com o PT.

O presidente do partido negou qualquer acordo com Lula. “Isso tudo é conversa. A gente tem base suficiente lá no Estado. Não existe isso, vamos fazer quatro federais no Estado de Pernambuco”.

Mesmo com a candidatura de Soraya, a legenda está liberada para apoiar informalmente outros candidatos a presidente. Em Estados como Rio, Amazonas, Mato Grosso e Acre, há um endosso público à candidatura de Bolsonaro. Outros candidatos a governador, como Ronaldo Caiado, em Goiás, e ACM Neto, na Bahia, procuram se desvincular da disputa nacional, sem apoio a nenhum candidato presidencial.

Rodrigo Garcia

O presidente do União Brasil também disse que a legenda se encaminha para indicar o deputado Geninho Zuliani para ser candidato a vice do governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (PSDB), que tenta a reeleição. A vaga de vice é disputada também pelo MDB.

O dirigente, no entanto, diz ter um acordo com o governador tucano. “Temos um acerto com ele e o vice será do União. Rodrigo Garcia é um homem muito correto, muito íntegro, isso foi pré-estabelecido há muito tempo e não tem mais nenhum questionamento. Geninho deve ser o candidato a vice do Garcia”.

Questionado sobre o que faria se o MDB levasse a vaga de vice de Garcia, Bivar evitou comentar. “O MDB indicará o Senado, já ficou estabelecido isso. Se minha vó fosse mais jovem, andava de bicicleta”.

Verifique também

Recomendações do MPF fundamentam projeto de lei da Câmara dos Deputados sobre fiscalização financeira do setor público

Objetivo é garantir a transparência na aplicação de recursos federais