terça-feira , 28 junho 2022
Assassinatos de Bruno e Dom geram repercussão na imprensa internacional

Assassinatos de Bruno e Dom geram repercussão na imprensa internacional

O anúncio da Polícia Federal sobre os assassinatos do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira geraram repercussão internacional na imprensa. Jornais e redes de televisão registraram que, após dez dias de buscas, os investigadores tiveram a confissão de que pescador Amarildo Oliveira, conhecido como “Pelado”, participou do crime.

Segundo o relato, a dupla foi morta no mesmo dia em que desapareceram, 5 de maio.

O jornal britânico The Guardian publicou a notícia “Dom Phillips e Bruno Pereira: Polícia brasileira encontra dois corpos em busca de desaparecidos”, destacando o fato de que a Policia Federal encontrou nesta quinta-feira, “remanescentes humanos” na área de buscas no rio Itaquaí, após colaboração dos suspeitos Pelado e Oseney da Costa de Oliveira.

O norte-americano The Washigton Post destacou a confissão de Pelado, com a manchete “Homem confessa ter matado jornalista e colega desaparecido, diz polícia”.

Segundo o superintendente da Polícia Federal no Amazonas, delegado Eduardo Alexandre Fontes, Pelado “narrou com detalhes o crime realizado” e apontou o local onde havia enterrado os corpos.

O francês Le Monde e o norte-americano The New York Times seguiram o mesmo caminho de repercussão, destacando a declaração do pescador.

A TV britânica BBC News reforçou que a Interpol está trabalhando com a polícia brasileira para confirmar a identidade dos corpos.

A Al Jazeera repercutiu também as falas de autoridades brasileiras, e disse que o caso gera um alerta sobre o presidente da República, Jair Bolsonaro, pressionado durante a Cúpula das Américas pela agilidade nas buscas.

Verifique também

Decisão nos EUA vira gatilho para ampliar garantias ao aborto em países da Europa

Decisão nos EUA vira gatilho para ampliar garantias ao aborto em países da Europa

GUARULHOS, SP – Mulheres da França podem realizar o aborto legal no país há quase …