segunda-feira , 27 junho 2022
Alexandre prorroga investigação sobre fala de Bolsonaro que ligou vacina à aids

Alexandre prorroga investigação sobre fala de Bolsonaro que ligou vacina à aids

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, prorrogou por mais 60 dias o inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro (PL) cometeu crime ao relacionar a vacina contra a covid-19 ao vírus da aids. A decisão atende a pedido da Polícia Federal, que apontou a necessidade de prosseguimento das investigações.

Uma das movimentações mais recente do inquérito foi o envio, pelo Google da íntegra da transmissão ao vivo em que o presidente divulgou, em outubro de 2021, a informação falsa sobre a vacina. Em abril, quando autorizou uma outra prorrogação do inquérito, também a pedido da PF, o ministro havia autorizado que os investigadores oficiassem a plataforma, em busca da gravação.

A live em que o chefe do Executivo cita uma falsa relação entre vacinas contra covid-19 e aids foi removida das redes sociais – Facebook, Instagram e YouTube. Quando derrubou o vídeo, a plataforma de vídeos registrou, em nota: “Removemos um vídeo do canal de Jair Bolsonaro por violar as nossas diretrizes de desinformação médica sobre a covid-19 ao alegar que as vacinas não reduzem o risco de contrair a doença e que causam outras doenças infecciosas”.

A transmissão ao vivo foi realizada por Bolsonaro em 21 de outubro, exatamente um dia após a leitura do relatório da CPI da Covid no Senado. O colegiado pediu o indiciamento por 11 crimes relacionados à conduta do chefe do Executivo no enfrentamento à pandemia.

O inquérito prorrogado por Alexandre foi aberto a pedido do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que encaminhou o requerimento à corte na reta final da CPI da Covid para que fossem averiguadas as declarações do presidente por, segundo ele, fazerem parte de um “contexto bastante mais amplo de sucessivas e reiteradas manifestações criminosas”.


Verifique também

Cármen pede para PGR investigar Bolsonaro no caso do 'gabinete paralelo' no MEC

Cármen pede para PGR investigar Bolsonaro no caso do ‘gabinete paralelo’ no MEC

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, pediu nesta segunda-feira, 27, manifestação da Procuradoria-Geral …