terça-feira , 17 maio 2022
Alexandre pede para PGR opinar sobre 'atuação direta' de Bolsonaro em fake news

Alexandre pede para PGR opinar sobre ‘atuação direta’ de Bolsonaro em fake news

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 15 dias para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre o relatório em que a Polícia Federal afirma que o presidente Jair Bolsonaro (PL) agiu para promover informações falsas sobre o sistema eleitoral.


Ao apresentar o documento, em dezembro do ano passado, a delegada federal Denisse Dias Rosas Ribeiro disse ver ‘atuação direta’ do presidente na disseminação de ‘ilações’ sobre as urnas.

O parecer da PGR deverá dizer se há elementos para denunciar Bolsonaro ou se o caso deve ser arquivado. Há ainda uma terceira alternativa: um eventual pedido para estender o inquérito contra o presidente.

A PF deu a investigação como encerrada ao apresentar o relatório final ao STF, após quatro meses de trabalho. A apuração foi aberta na esteira da live realizada por Bolsonaro no dia 29 de julho do ano passado, transmitida simultaneamente pelas redes sociais e pela TV Brasil, para questionar a segurança das urnas.

“Restou caracterizado pelas narrativas das pessoas envolvidas que a chamada live presidencial foi um evento previamente estruturado com o escopo de defender uma teoria conspiratória que os participantes já sabiam inconsistente”, diz um trecho do relatório da PF.

Além de cobrar manifestação da PGR, Moraes também autorizou o compartilhamento das provas reunidas na investigação sobre a live de Bolsonaro com o inquérito das milícias digitais e com o procedimento aberto no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre fake news e ataques às eleições.

Na semana passada, a investigação das milícias digitais foi abastecida com o material colhido em outra frente de apuração que atinge o presidente: a que mirou o vazamento de dados sigilosos da PF sobre uma tentativa de ataque hacker aos sistemas do TSE.

Verifique também

2ffda033-7d66-46a2-8463-714f9b00986b

MPF repudia falas de superintendente do Incra sobre processo de titulação de território quilombola em Itacoatiara (AM)

Em audiência pública realizada no AM, João Jornada se manifestou de forma ofensiva e prejudicial à credibilidade do MPF e do próprio Incra, contribuindo para o aumento das pressões e riscos aos comunitários quilombolas no local